Aventuras Maternas

Os valores e a maternidade

barriga futuroHoje contarei pra vocês a história de Carla.
Carla é uma mulher que planejou e desejou sua gravidez. Curtiu muito o período de gestação: foi a todas as consultas de pré-natal, fez chá de bebê, anotou semanalmente o desenvolvimento do feto e deixou a mala da maternidade organizada com bastante antecedência.
A previsibilidade é um valor muito importante para Carla. Ter a sensação de saber o que está por vir lhe conforta.
No dia do nascimento do filho tudo correu melhor do que havia imaginado e logo a família pôde voltar para casa e começar uma nova vida.
Como muitas de nós sabemos, a chegada de um bebê desestabiliza toda e qualquer ordem – por mais calminha que a criança seja.
Quando Carla se viu cheia de sono e com um neném que não correspondia aos recém-nascidos dos livros que lera, se sentiu tomada pela desorientação e sensação de impotência.
Outra coisa que Carla não conseguia compreender era o fato de amigas suas que tiveram bebês em períodos próximos ao dela, parecerem mais bem resolvidas com a chegada da maternidade. Todas estavam cansadas sim! Mas como aquelas que tinham bebês mais sensíveis e chorões que o seu, não estavam com cara de “vou me jogar pela janela”!!??
O que Carla não sabia era que o seu valor principal, o que dominava suas escolhas, era o da previsibilidade! Não saber o que está por vir, quais seriam as próximas reações de seu bebê, tiravam o chão de Carla.
Provavelmente as suas amigas se apoderam de valores que favorecem a entrada avassaladora da maternidade na vida de uma mulher. Por exemplo: variedade/mudança, compaixão, desafio, comprometimento com o próximo…
Não que Carla não tenha os valores citados acima impressos em seus comportamentos, mas a previsibilidade é a dominante.

Mas então ser previsível é muito ruim para uma mãe!? Claro que não!! Todos os valores tem suas vantagens e desvantagens. E até mesmo as desvantagens, se trabalhadas, podem deixar de ser uma ameaça e se transformar em oportunidade.

Imaginem o quanto o filho de Carla será beneficiado por ter uma mãe que introduz a rotina em seu desenvolvimento! Isso é tudo de bom!

“Os valores governam nossas decisões e é num momento de decisão que nosso destino é traçado.” (Geronimo Theml)
Saber quais os próprios valores, qual é o dominante e agir para respeitá-lo e supri-lo faz com que atravessemos os obstáculos melhor preparados. Permite também que façamos escolhas mais conscientes – no início da maternidade e para toda a vida.
E você? Já sabe quais são os seus valores?
Com carinho,

Aline Gomes

Sobre o autor Ver todos os posts Website do autor

Aline Gomes

Meu nome é Aline Gomes. Sou Psicóloga, Coach de Mães e Terapeuta de Constelação Familiar.
A Equipe do Aventuras Maternas me convidou a compartilhar um pouquinho da minha experiência com você! Fiquei muito feliz e honrada por isso!
Sendo esse o nosso primeiro contato, acho que é de bom tom me apresentar melhor…
Minha história profissional com a maternidade começou em 2003, quando, ainda estudante de psicologia, fazia avaliação psicológica das babás para saber se estavam aptas emocionalmente para cuidar de crianças.

A partir da Avaliação Psicológica eu desenvolvi um Treinamento de Babás para capacitá-las melhor para os cargos. E o Treinamento acabou se transformando num chamariz de mães em busca de Babás instruídas.
Todo esse movimento fez gerar o meu primeiro filho: em 2005 nasceu o Espaço Cuidar Bem – Empresa de Seleção e Treinamento de Babás.
Desde então eu sempre estive conectada com mães, pais, crianças, babás, vovós, vovôs, madrinhas e etc.
Em 2010 eu engravidei e em 2011 nasceu a minha primeira menina, Maitê. Logo em seguida engravidei novamente e Luna chegou em 2012.
Depois que me vi imersa na rotina de fraldas, mamadas, banhos, choros e incertezas, fiquei curiosa para entender essa tal de maternidade. Queria saber como estavam se comportando as mães em seus lares com suas crias. Não era curiosidade para mera comparação, mas sim para compreensão de comportamento.
Meu interesse foi tanto, que assim que a Luna melhorou do refluxo (aos 8 meses), logo que pude voltei à sala de aula. Queria mesmo entender o que fazia uma mãe pirar na batatinha e a outra ficar super zen.
E será sobre isso que falaremos aqui nessa coluna: comportamento > que leva à compreensão > que leva à paz!
Quero compartilhar e, principalmente, aprender com você! Adoro trocar, ouvir e ler histórias!
Sei que juntas podemos acrescentar na vida de outras mães que ainda não sabem o nome desse trem que as atropelou! ;-) Então, vem comigo nessa…?

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *