Aventuras Maternas

Mães contam sobre a descoberta da paternidade

Foto Adriana Oliveira

Foto Adriana Oliveira

A descoberta da gravidez é algo que vem acompanhada de uma série de sentimentos, dependendo do momento em que a mulher esteja e do quanto essa gravidez foi planejada ou não. A notícia certamente é algo que muda a vida dessas mulheres para sempre. Mas assim como para todo filho existe uma mãe, há também um pai, certo? E o Aventuras Maternas foi atrás de histórias lindas que emocionam e surpreendem.

Por aqui, por exemplo, o primeiro a tomar a decisão de ter um filho foi o meu marido. Ele sabia que o meu instinto de ser mãe era enorme, mas que o lado pragmático também é muito forte. Portanto, naquela de encontrar o momento certo e mergulhar sem medo nessa decisão, eu nunca sairia de cima do muro. Ele não só deu todos os empurrões possíveis para eu engravidar, como também comemorou com lágrimas, pulos e sorrisos, o resultado positivo que no primeiro momento me deixou chocada. E  mais, assumiu sua decisão de forma integral e irrestrita. Amou cada centímetro novo da minha barriga que cresceu quilômetros e passou tantas noites em claro quanto eu, nos primeiros anos de vida do Theo, se doando como podia para cada necessidade e nova descoberta do nosso pequeno. Acredito, que quando percebemos que o marido que amamos, também é um pai com “P” maiúsculo, nosso amor dobra de tamanho. Foi isso que aconteceu.

Abaixo, dividimos os depoimentos de mães que também se surpreenderam e se emocionaram com a forma como seus parceiros reagiram ao descobrir a maternidade. Vale compartilhar!

pais

Patrícia Águia – “Essa é a minha terceira gestação. As outras duas eu perdi. Eu e meu marido queríamos muito um bebê. Então, quando percebi que minha menstruação estava atrasada, contei logo pra ele. Os dois primeiros testes de farmácia deram negativos. Mas, como ela não tinha descido, fiz o de sangue. Abrimos o resultado juntos na Internet e comemoramos muito a gravidez. Na primeira ultra ele não pode ir comigo. Estávamos ansiosos, pois nas outras vezes não chegamos nem a ouvir o coração. E quando ouvi o coração dele batendo, liguei chorando para o meu marido para contar, e ficamos chorando no telefone. Desde então nos emocionamos com cada detalhe da gravidez”.

Luciana Bansi Mascaro – “Eu desconfiei por atraso da menstruação. Não contei nada. Fiz o beta e o resultado saiu na madrugada apenas. Guardei segredo mais um dia e comprei um body com uns dizeres que ele entenderia, e dei de presente a noite. E fiz o mesmo com os avós. Foi uma emoção só. Faria tudo de novo”.

Danielle França – “Fiz o teste escondido e, quando saiu o resultado, ele estava de plantão e só chegaria em casa no dia seguinte pela manhã. Fui ao shopping, comprei dois vestidos de bebê, fiz uns cartazes, colei pelo quarto junto com bolas cor de rosa e coloquei o vestido na parede também. Quando chegou, acendeu as luzes e deu de cara com tudo. O outro vestido foi para surpreender minha mãe, pois era aniversario dela. Coloquei em uma caixa com um bilhete! ‘Vovó, Ana Beatriz está chegando!!!! E foi uma emoção só”.

Bruna Ferrão – “Estávamos tentando há uns cinco anos. Fizemos uma viagem com toda a família em janeiro, para uma cidade na serra, aqui no Canadá e eu estava morrendo de tanta azia. Nunca passou pela minha cabeça que eu pudesse estar grávida. Tomei remédio, melhorava, mas sempre voltava. Até que no dia 17/01/2011 de manhã, antes de ir trabalhar, eu vomitei. Achei estranho e por desencargo pensei em comprar um teste, como já havia feito dezenas de vezes, sempre na esperança. Nem comentei com o Max porque achava impossível pois tinha dificuldade há algum tempo. Cheguei no trabalho, assinei o ponto e fui ao banheiro fazer o teste. Deus positivo! Nunca tremi tanto na vida! Liguei pra minha irmã, que estava levando meus pais pro aeroporto para voltarem para o Brasil, e disse: ‘acho que estou grávida’. Guardei o teste no bolso da calça. Na hora do almoço fui ao Walmart e comprei mais três testes de marcas diferentes. Fiz e todos positivos, um inclusive dizendo o número de semanas.
Voltei no Walmart, comprei uma embalagem de presente e um par de sapatinhos de bebê, e fui pra casa. Cheguei e Max vendo TV. Falei ‘trouxe um presente pra você’, e ele disse ‘Oba, chocolate!’. Aí ele abriu, meio que sem entender os três testes, e choramos muito juntos. Foi a realização de um sonho. Não sei nem explicar. Foi muito forte mesmo, pois sempre ouvimos que não teríamos filhos naturalmente. Fizemos até uma FIV mal sucedida. Tinham nos dado 5% de chance de ter filhos naturalmente. Já gastamos 2%! Ainda temos 3%, se quisermos”.

Lilian Nascimento – “Bom, tive dois momentos. O da Julia, aos 23 anos, sem nenhuma programação, apesar de já casada, com casa montada etc, foi um grande susto. O pai já compartilhava da minha angustia no atraso da menstruação. Quando vi o exame online com o resultado estava no trabalho, e o chão saiu do meu pé! Liguei pra ele aos prantos, que apesar de também não saber muito o que fazer, em nenhum momento me desamparou. Passado o susto, foram só flores e todo mundo amou a notícia. Já o Pedro, aos 29 anos, foi uma coisa programada. Depois que decidimos ter o segundo filho, engravidei no mês seguinte. Mas fiz uns três exames desses de farmácia, que deram negativo. E nada da menstruação. Até que fiz um exame de sangue, e pimba! Vi o resultado online na casa da minha mãe. Malvino estava trabalhando ainda, e ninguém sabia dos nossos planos direito. Mesmo sendo planejada, dá um negócio dentro da gente quando confirmamos, emoção misturada com ansiedade e medo. Contei pelo telefone e foi só alegria. O susto na segunda gravidez foi na primeira ultra, quando descobrimos que eram gêmeos! Aí o bicho pegou! Malvino ficou pálido na sala, não conseguiu esboçar nenhuma reação. Eu fiquei mega nervosa, um medo do tamanho do mundo. Mas, infelizmente, após algumas ultras um não se desenvolveu, e ganhamos só o nosso Pedro mesmo. Deus sabe de todas as coisas!”.
Joana Carrion – “Demétrio que desconfiou que eu estava grávida. Durante a primeira semana de gestação, meus seios ficaram doloridos. Mas nem passou pela minha cabeça. Depois fui começando a ter outros sintomas. Meu peito inchou um bocado. Depois de tanto ele falar, resolvi fazer o exame de sangue. Como estava próximo do aniversário dele, não contei quando saia o resultado. Assim que saiu e deu positivo, fui ao shopping, comprei um body escrito Papai é o cara, embrulhei o resultado junto e entreguei. Foi uma delícia ver a reação dele!!! Ficou super emocionado”.

Julia de Aquino – “Descobri que estava grávida do Matheus em uma viagem para Guarda do Embaú, no Sul, pois não sentia vontade de comer e minha menstruação veio irregular. Fiz um teste de farmácia que deu positivo, e quando cheguei ao Rio fiz o exame de sangue que confirmou. Como eu era nova, dividi a desconfiança e fiz os testes com ele ao meu lado. Ele ficou sabendo que ia ser pai quando fomos buscar o exame. Abriu e não entendeu bem. Eu li e falei para ele. Da Catharina descobri quando cheguei da lua de mel, pois durante a viagem não senti fome. E como já estava me preparando para ser mãe de novo, desconfiei. Quando cheguei no Brasil, fiz o teste de farmácia, que deu negativo. Então, relaxei. Mas como depois de uma semana a vontade de comer não voltou, resolvi fazer o exame de sangue antes de ir trabalhar e peguei o resultado positivo pela internet. Dessa vez não dividi a desconfiança com ele, pois como estávamos preparados para ter um baby, eu queria fazer surpresa! Peguei o resultado na internet e liguei para ele do trabalho, dizendo que teríamos que ir ao shopping comprar um presente para uma amiga que tinha acabado de ter neném. Saímos do trabalho e fomos ao shopping. Na loja, eu pedi dica para ele sobre o que comprar e ele disse um sapatinho, perguntou se o filho da amiga era menino ou menina. Eu disse menina, ele disse para comprar rosa, mas como eu não sabia o sexo ainda, escolhi um sapatinho amarelo, pedi para embrulhar para presente e fomos jantar. Durante o jantar eu dei a caixa de presente para ele abrir para ver o sapatinho. Ele não entendeu, mas abriu. E foi quando eu disse ‘parabéns, papai”.

Cinara Leal – “Estava desconfiada, pois minha menstruação estava atrasada. Daí comprei um teste de farmácia e deu positivo. Quase tive um troço. Não contei nada para o meu marido, com medo de criar falsas expectativas. Depois de três dias fiz um exame de sangue e deu positivo. Quando ele chegou em casa, perguntei a ele o que mudaria na vida dele caso eu estivesse grávida e ele foi falando sem parar. Falei pra ele que poderia começar a mudança, pois nosso bebê já estava a caminho. Ele chorou por três dias seguidos, cantou pra minha barriga, passou a noite inteira alisando ela”.

Juliana Prestes – “Descobri que estava grávida em maio de 2013, após 6 meses tentando engravidar. Fiz dois testes de farmácia que deram positivo e depois fiz o beta que confirmou a quinta semana de gravidez. Meu marido estava viajando no dia que confirmei a gravidez. Comprei uma blusa branca e uma caneta para tecido e fui buscá-lo no aeroporto com a camisa escrita ‘Seja bem-vindo, Papai!’. Foi muito emocionante. Meu marido ficou muito emocionado, pois queríamos muito engravidar. Hoje, o Davi está com um ano e dois meses.

Sobre o autor Ver todos os posts

Priscila Correia

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *