Aventuras Maternas

Coisas que deixamos de fazer quando nos tornamos mães

cropped-arteEu sempre quis ter filhos, sempre! Por uma necessidade biológica, carência ou simplesmente por querer cuidar e ser responsável por alguém. Claro que pesei os prós e contras do fato de ser mãe, achamos que vamos dar conta de tudo, que somos super mulheres e que se fulana conseguiu, você também é capaz. Sinto lhe informar: a realidade é sempre diferente.

Longe de mim querer afugentar alguém do sonho de ser mãe, mas vamos deixar a visão romanceada de lado e ser realistas. Assim que damos a luz a esse serzinho frágil, lindo e maravilhoso, damos adeus também a um bem muito precioso: o tempo. Mudam as prioridades, a rotina, a conta bancária…Esqueça as idas semanais ao salão de beleza, o cineminha com as amigas, o vinho na sexta à noite com o maridinho, viagens de férias ou o simples fato de ler um livro, um filme em casa, tomar banho ou DORMIR!

São experiências muito particulares, cada mulher vivencia de uma maneira esse momento. Algumas conseguem adaptar uma rotina em que o EU esteja incluído. Vamos deixar claro que a decisão de ser mãe requer abdicar de algumas coisas, pelo menos por um tempo. O fato é que se você não tiver babá, creche ou alguém para ajudar é possível que nos próximos dois a três anos sua vida seja exclusiva do filhote.

É, a vida é feita de escolhas. Algumas optam por parar de trabalhar, outras levam o filho para todos os compromissos e viagens, isso depende da personalidade de cada um. Mas não conheço uma mãe, independente do perfil, que não tenha reclamado (mesmo que inconsciente) do fato de não ter um tempinho pra si.

Mas muitas me perguntam: Beleza, então qual é a solução? Não sou especialista, mas vamos lá. Isso depende de cada realidade e o que você está disposto a fazer. Acredito que o planejamento é o primeiro passo (e  olha que sou a pessoa mais desorganizada do planeta). No meu caso, como eu voltei a trabalhar muito cedo, tive que optar por uma creche período integral quando o Arthur tinha 7 meses. Muitos me criticaram, mas eu precisava me sustentar. A nossa vida financeira dependia só de mim. É claro que sempre tive o cuidado de dar total atenção a ele no tempo que me restava, além de ficar muito atenta ao dia a dia da creche.

Isso feito, voltei à vida profissional, mas mesmo assim, ainda não cuidava “tanto” de mim. Dividia meu tempo entre o trabalho do escritório e o de casa (eu não tinha empregada). Conforme o Arthur foi crescendo eu comecei a encaixar alguns mimos pra mim – dormir nos finais de semanas que ele vai pro pai, salão de beleza, ler um livro, academia. Mesmo assim, ainda não há tempo hábil pra tudo. Por exemplo, neste momento, enquanto escrevo esse texto, estou pensando que tenho mais roupa pra lavar, comida pra fazer, tenho um livro na cabeceira me esperando, quero dormir e ainda tenho que adiantar outros textos.

Alguém disse que seria fácil? Nãoooo. Mas, realmente, só com planejamento e ajuda (creche, marido, avó ou babá) você consegue dar um “alô” para sua individualidade. Então persiga sempre seus objetivos e não se renda ao cansaço e desânimo, pois os filhos crescem e você fica.

 

Sobre o autor Ver todos os posts

samyleal

Deixe seu comentárioDeixe seu comentário

  • É exatamente assim mesmo, existem duas pessoas com rotinas completamente diferentes: uma sou eu antes de ter a Luiza e a outra sou eu agora. Nunca dá tempo de fazer nem metade das coisas que eu fazia “pra mim” antes de ser mãe, e o dinheiro então? Luiza levou tudo hahaha, estamos sempre dizendo ” calma, ela já vai sair dessa fase e ficar mais independente” mas sei lá, acho que com o passar dos anos algumas coisas podem até melhorar, e melhorar muito … mas nunca vai dar pra voltar a ser como antes. ótimo blog 🙂

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *