Aventuras Maternas

Pilates: uma boa opção de atividade física para a gravidez

É sabido que durante a gravidez o corpo passa por diversas mudanças, não é mesmo? Além de um turbilhão de hormônios e emoções desse momento, o corpo demanda atenção com alimentação e exercícios. E para quem não sabe, o Pilates tem sido cada vez mais o escolhido pelas grávidas na hora de procurar uma atividade física durante a gestação.

Diversos estudos comprovam que hábitos saudáveis acompanhados de exercícios bem orientados ajudam as gestantes a vivenciarem essa experiência de forma prazeirosa. E o Pilates, por ser uma atividade física de baixo impacto e de correção postural, favorece a diminuição dos desconfortos gerados pelas mudanças ocorridas nessa fase da vida da mulher.

Tayná Vaz praticando Pilates aos 6 meses de gestação

Tayná Vaz praticando Pilates aos 6 meses de gestação

Tenho uma amiga querida, a Tayná Vaz, que é professora do método e me deu aula por bastante tempo. Mas agora ela se divide entre os dois lados: a instrutora e a aluna grávida. “Vejo o Pilates como uma excelente maneira de se conhecer. Muitos alunos procuram o método apenas para sair do sedentarismo, indicação médica ou porque não são fãs de aulas em academias de musculação, e, na maioria das vezes, descobrem durante os exercícios que são capazes de realizar muitas coisas além das quais imaginavam. Durante as aulas, o aluno é obrigado a se concentrar e conciliar sua respiração com os movimentos executados, e para isso o meu papel como instrutora e Fisioterapeuta é fundamental. Vou corrigindo as posturas, lembrando sempre ao aluno da importância do trabalho de conscientização muscular, e dessa forma ele vai se conhecendo, vai vendo que seu corpo não é tão limitado assim e que pode sempre mais”

Mas ser uma grávida praticante segundo ela é um ótimo desafio. “Muitas vezes praticava sozinha, antes de engravidar, mas ter um Fisioterapeuta te orientando faz toda a diferença. Estou adorando ser aluna, e percebo que, como gestante, os desafios são ainda maiores, já que o equilíbrio fica muito alterado devido à barriga. E estando do outro lado agora entendo melhor o que sempre falo para os meus alunos: ‘se está fácil, está errado!’. Minha Fisioterapeuta capricha nas aulas, e vejo que estou mais forte e mais resistente a cada dia”.

A fisioterapeuta Graziele Almeida, do Universo Postura Pilates, conta que elaboraram um programa de acompanhamento e orientações a gestante. “Todo o trabalho é realizado de forma personalizada, respeitando as necessidades e os objetivos de cada gestante. Em todas as fases da gestação enfatizamos o ganho de consciência corporal, o fortalecimento do Core (músculos do abdômen, do assoalho pélvico e da coluna lombar), evitando a incontinência urinária,  preparando para o parto normal  ou na recuperação mais rápida em caso de cesária. São realizados exercícios de alongamentos da coluna vertebral que buscam melhorar a mobilidade e as dores nas costas; alongamento dos músculos das pernas e panturrilhas para melhor retorno venoso e redução do edema de membros inferiores; exercícios de fortalecimento da cintura escapular e dos braços preparando a gestante para a nova rotina dos cuidados com o bebê”, comenta.

A prática do Pilates é indicada a partir do terceiro mês para alunas iniciantes. Para as alunas que já praticam, é indicado de acordo com a liberação médica. “As restrições são gravidez de risco, sangramento, contração uterina e enjoo excessivo. Para um melhor resultado é indicada a frequência de 2 a 3 vezes na semana. O tempo de pratica não é definido previamente. Será sempre acompanhado pelas necessidades e condições da gestante, podendo ocorrer até a véspera do parto”, complementa Graziele.

Alessandra Barreto, de 39 anos, é mae de Mariana, que nasceu quando ela tinha 34 anos de parto normal. “Não era praticante antes e descobri o pilates durante a gravidez. Optei pelo pilates durante a gravidez porque achei que se aproximaria do trabalho de força muscular que já fazia antes com a musculação, e também porque não me agradava Yoga nem hidroginástica. Os exercícios me auxiliaram com certeza no momento do parto, haja vista que com o pilates aprendi a trabalhar a respiração com a contração abdominal, o que foi muito importante no trabalho de força para o meu parto normal”, explica Alessandra.

Já Glaucilene Cunha, com 35 anos e mãe de Matheus, de dois anos, optou pelo Pilates porque buscava um exercício que fosse prazeroso e que não colocasse em risco a gravidez. “Optei pelo pilates por ser um exercício de baixo impacto e que fortaleceria minha coluna e membros inferiores para ter mais conforto durante a gestação”, conta. “Iniciei no Pilates pouco tempo antes de engravidar. Indicaria para outras gravidas o pilates por ser uma atividade em que você pode trabalhar e desenvolver partes específicas do corpo de uma gestante como as costas, pernas e o assoalho pélvico”, complementa.

Assim como qualquer exercício físico, é importante avaliar com um medico o mais indicado, especialmente em um momento tao especial. Afinal, tendo uma gestação saudável, o bebê se beneficiará de todo o bem-estar sentido pela mamãe.

Sobre o autor Ver todos os posts

Priscila Correia

5 ComentáriosDeixe seu comentário

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *