Aventuras Maternas

Menopausa precoce e infertilidade: até quando é possível engravidar?

“O processo geralmente começa a ocorrer entre os 45 e 50 anos, podendo haver exceções”, indica a especialista em reprodução assistida Maria Cecília Erthal, à frente do Vida – Centro de Fertilidade.  A especialista ressalta alguns pontos relacionados à questão de menopausa precoce, sintomas da menopausa e sua relação com a gravidez:

– Quando algumas mulheres podem apresentar a menopausa precoce?

A menopausa precoce é causada pelo envelhecimento dos ovários antes do tempo considerado normal. O processo é considerado prematuro quando ocorre em mulheres com menos de 40 anos.

– É possível engravidar na menopausa?

 Podemos classificar como menopausa quando a mulher passa 12 meses sem menstruar, geralmente o processo ocorre quando chegam entre os 48 e 51 anos de idade, marcando o fim do período reprodutivo. Quando a mulher entra na menopausa, não é possível engravidar naturalmente, porém, durante o chamado climatério, ainda é possível que a gestação ocorra de forma natural.

 – Qual tratamento é indicado para quem já entrou na menopausa ou possuem uma reserva ovariana muito baixa?

 Existe a opção de fazer um tratamento de fertilização in vitro com óvulos doados. Cada vez mais as mulheres estão deixando para engravidar mais tarde, muitas vezes já com sua reserva de óvulos comprometida não só em número, mas também em sua qualidade. Para tanto, a fertilização com óvulos doados é uma opção com excelentes chances de gravidez.

– Sintomas da menopausa:

1.    Menstruação irregular

2.    Ausência de menstruação por 12 meses seguidos

3.    Ondas de calor que começam de repente e sem causa aparente

4.    Suores noturnos intensos que podem interromper o sono

5.    Cansaço frequente

6.    Alterações de humor como irritabilidade, ansiedade ou tristeza

7.    Dificuldade para dormir ou menor qualidade de sono

8.    Secura vaginal

9.    Queda de cabelos

10.   Diminuição da libido

Informações: Assessoria de Imprensa.

Sobre o autor Ver todos os posts

Priscila Correia

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *